segunda-feira, 21 de abril de 2014

Gomesa [Gom.] varicosa (syn. Oncidium varicosum)





Oncidium varicosum Lindl., Edwards's Bot. Reg. 23: t. 1920 (1837).
Gomesa varicosa (Lindl.) M.W.Chase & N.H.Williams, Ann. Bot. (Oxford) 104: 398 (2009).

Conhecido popularmente como "pingo de ouro", "chuva de ouro", o Oncidium varicosum ou Gomesa varicosa, (não vamos nos prender muito ao nome, pois nem os botânicos sabem muito bem o que eles querem), é encontrado em Minas Gerais, São paulo e Goiás. Estas plantas crescem principalmente nas árvores em locais bem ensolarados, ribeira e locais pantanosos.
É uma planta de pequeno/médio porte, seus pseudobulbos ovalados  e enrugados pela idade, tem em média 10 cm e as folhas 20 cm de comprimento.
A haste floral que é longa, em torno de 80 cm, pode em alguns casos chegar a até 1,5 m., na maioria das vezes esta se curva devido a ser fina e não suportar o peso das flores. Algumas hastes chegam a se dividir em várias outras secundárias, fazendo da planta um belo arranjo natural. A maioria dos orquidários comerciais colocam tutores para ajudar na sustentação das hastes  fazendo o arranjo ao seu gosto, porém os colecionadores costumam deixar a natureza fazer a parte dela e deixam a planta livre.


Planta com tutor para sustentação

A floração da Gomesa varicosa é abundante, geralmente duas ou mais haste florais contendo muitas flores, estas podem em algumas plantas passar das cem facilmente. As flores são pequenas e dificilmente passam de 4 cm (a não ser na variedade rogerssi  que apesar de ter hastes menores a flor é um pouco maior).
As flores possuem sépalas e pétalas de tamanho muito pequeno, possuindo coloração listrada “amarronzado” e que passam por muitos desapercebidos. A notoriedade está no grande labelo amarelo com detalhes em “marrom-avermelhado”, devido a este formato muitos também apelidaram popularmente de “bailarina”.


Ainda não tão comum de ser encontrado em orquidários comerciais, existe a variação “Baldim”. Este se difere principalmente pela cor praticamente preta nas sépalas e pétalas, assim como em lugar do marrom-avermelhado no labelo.

No cultivo, dê preferência a colocá-lo em tocos de madeira ou tronquinho de árvore. Apesar de comercialmente serem vendidos em vasos de plástico estes não são muito de seu agrado, pois se regado constantemente, a probabilidade de se perder a planta por apodrecimento das raízes é muito grande.
Se plantado em tronquinho de árvore, tronco de xaxim bruto ou placa de peroba regue as raízes frequentemente (em dias de calor e verão), e verá que o enraizamento será muito rápido.
Procure manter a sua planta em um ambiente sombreado não menos que 60% e não mais que 75%; Alta ensolação diminui a floração, e ainda causa queimaduras nas folhas com consequente perda de beleza.







domingo, 20 de abril de 2014

Exposições de orquídeas 2014 (CAOB)



Tabela Oficial da Coordenadoria das Associações Orquidófilas do Brasil


clique na imagem para aumentar