sábado, 21 de abril de 2012

Cattleya vallezac

Cattleya vallezac 'Magic fire'


Gênero: Cattleya (C.)(RHS), Sophrolaeliocattleya (Slc.)(Sanders).
var.: Magic fire

Registrada em 1960 por Vallemar Gdns., nasceu do cruzamento entre a Cattleya golden gate e a Cattleya Anzac(1921).
Híbrido unifoliado que pode ser cultivado com os mesmos cuidados dados a Cattleya riffe descrito na matéria anterior.
Suas flores também são vermelhas e de tamanho semelhante a da ‘riffe’, possível herança da Cattleya anzac  que é comum às duas hibridizações.







Árvore genealógica



Cattleya riffe

Cattleya riffe 'Red December'



Gênero: Cattleya (RHS)
Gênero sinônimo: Sophrolaeliocattleya (Sanders)
Var: Red December

Registrada em 1961 por Waldemar Silva de Campinas, São Paulo, Brasil.
A Cattleya riffe é um híbrido resultante do cruzamento entre a Cattleya mysedo e a Cattleya anzac(1921).
Planta unifoliada de flores com colorido vermelho vibrante,  pode florir mais de uma vez no ano (como a minha que pelo segundo ano floriu a cada 5 ou 6 meses).
Sua flor mede em média 12 cm e geralmente nascem mais de duas por haste, com isso somos praticamente obrigados a fazer um ‘arranjo’ para que não fiquem muito amontoadas e suas sépalas e pétalas tenham espaço suficiente para abrir.
A riffe é uma planta muito fácil de cuidar, aceita muito bem o cultivo em sombreamento que vai de 50% a 70%: A temperatura também é flexível , ficando entre temperatura intermediária e quente, não tolerando frio intenso. Temperaturas entre 20°C e 30°C são as mais indicadas para um cultivo bem satisfatório.






Umidade relativa do ar entre 50% e 60% é a ideal, porém não é muito fácil controlar umidade do ar. Faça regas controladas, sempre esperando o substrato secar para voltar a molhar.

O substrato para o cultivo pode ser bem variado entre: xaxim, casca de pinus, chips de côco, coxim, ou um mix. O substrato assim como o vaso que você irá utilizar, depende muito do clima de sua região e da periodicidade com que irá regar a planta.  Lembrando que vaso de cerâmica seca mais rápido, e vaso de plástico segura mais umidade.
Eu uso um mix de casca de pinus, chips de côco e carvão, no fundo utilizo isopor para facilitar a drenagem, está dando muito bom resultado (se serve de sugestão).

Arvore genealógica



Catasetum barbatum



Planta simpodial, de hábito terrestre ou epífica, que em alguns casos ppode atingir até 70cm de altura. Originária do Brasil, Venezuela, Guiana Inglesa, Suriname, Guiana francesa, Colômbia, Equador, Peru e Bolívia.
No Brasil, o Catasetum barbatum cresce nas planícies quentes e úmidas perto da costa, mas pode também ser encontrada ao longo dos rios e sobre as planícies mais secas e savanas do interior nos estados do Amazonas, Pará, Minas Gerais, Distrito Federal, Mato Grosso e Goiás.

As flores geralmente são acima de 12 por inflorescência. Flores masculinas perfumadas, variam e têm as sépalas verdes amareladas e pétalas que têm muitas marcas estreitas, roxo-preto ou roxo-marrom ou barras transversais. O lábio esverdeado afiado possui muita franja de “cabelos brancos”. Possui cerca de 5 cm de altura da ponta da sépala dorsal para as pontas das sépalas laterais. As sépalas estreitamente elípticas lanceoladas são de até 3 cm de comprimento por 1 cm agudamente pontiagudas, com sépalas laterais sendo ligeiramente maior do que a sépala dorsal. A sépala dorsal é ereta, e as sépalas laterais um pouco oblíquas estendendo-se para baixo. Eles apontam para cima em um ângulo oblíquo acentuadamente em cada lado da sépala dorsal. O “calo” na base pode ser simples, e às vezes bifurcado e é rodeado em sua base com um anel de cabelos brancos curtos. A coluna é bastante robusta, e tem um par de antenas bastante longas, esbeltas e paralelas. Como acontecem com todos os Catasetums, as flores fêmeas são muito mais simples do que as flores macho.

Detalhe de floração

No Catasetum barbatum, as flores fêmeas muito menores, carnudas e verdes, têm sépalas e pétalas  que são até 2,5 cm de comprimento por 1,0 cm de largura e um lábio profundo.  A coluna é densamente carnuda, sem cerdas e medindo aproximadamente 1,3 cm.
As flores altamente perfumadas comuns ao gênero Catasetum pode ser masculino ou feminino, dependendo das condições sob as quais eles são cultivados. Flores fêmeas geralmente são produzidas sob condições de luz alta e baixa umidade, considerando-se que flores macho geralmente resultam quando plantas são cultivadas em ambiente mais úmidos.
A inflorescência de 45 cm de comprimento em média, emerge da base do pseudobulbo, podendo existir inflorescências masculinas e femininas na mesma planta.

Novo broto no psedobulbo traseiro e segunda brotação no primeiro bulbo

Brotação acima após 1 mês
Os pseudobulbos podem geralmente atingir entre 8 e 15 cm de comprimento por 3 cm de diâmetro. Estes fusiformes são levemente comprimidos e cercados por diversas bainhas, principalmente brancas e finas quando jovem. Estas bainhas logo caem  deixando o pseudobulbo levemente marrom amarelado.

Aspecto dos pseudobulbos

Prefere grande circulação de ar e muita luz indireta com Sol pela manhã e à tarde, não gostando muito do Sol do meio-dia. Temperaturas entre 29°C e 35°C são as preferidas no período diurno e com queda de 10°C no período noturno. Não aprecia muito temperaturas abaixo de 18°C.
Umidade relativa do ar acima de 60% é a melhor para seu cultivo, sendo que no período de crescimento precisam de boa umidade sendo regadas constantemente. Precisam secar rapidamente após a rega, não podendo ficar muito tempo com umidade excessiva. Durante o período de dormência este não deve ser molhado com frequência, devido à baixa necessidade de água (geralmente no inverno). A maioria dos catasetuns são perdidos nesta época devido a rega exagerada de alguns cultivadores, levando ao apodrecimento da planta.
A adubação recomendada para o Catasetum deve ser de preferência semanal e equilibrada, e deve ser interrompida no período de dormência, pois neste, a planta não necessita de adubação, retornando a mesma quando do aparecimento de novas brotações.
A rega e adubação de Catasetuns devem ser preferencialmente nas raízes, visto que as folhas não gostam de muita água.
Vasos de diversos tipos ou caixotes de madeira podem ser utilizados para o cultivo do Catasetum, desde que tenham uma boa drenagem e que facilitem a aeração das raízes. O substrato pode ser também de diversos tipos, xaxim, esfagno, coxim, chips de côco, mix, britas e até sem substrato, simplesmente afixando-o em placas ou árvores. Alguns cultivadores fazem o cultivo semi-hidropônico. Lembrando que menos substrato mais rega, principalmente no verão, que pode exigir mais de uma rega diária.
O reenvaze pode ser anual ou no máximo a cada dois anos. O reenzavamento é feito quando um novo crescimento aparece na base do pseudobulbo, apenas os pseudobulbos mais recentes de 1 a 2 devem ser deixados com a planta, todos os outros devem ser removidos.
Alguns cultivadores relatam que eles rotineiramente dividem suas plantas em pseudobulbo único (eu prefiro aos pares). No pseudobulbo velho as raízes morrerão em breve, assim a maioria deles pode ser cortada quando reenvazados. Alguns poderão ser deixados para ajudar a ancorar a planta até que novas raízes são desenvolvidas. As plantas não devem ser regadas até que o novo crescimento tenha raízes e pelo menos 5 cm de tamanho. Após este período podemos molhar normalmente.
O Catasetum barbatum não é um dos mais bonitos (opinião particular), mas com certeza é um exemplar que não pode faltar a um colecionador.

Avanço da floração