sexta-feira, 10 de setembro de 2010

Cattleya x dolosa


Cattleya x dolosa --- Rchb.f., Xenia Orchid. 2: 224 (1874).
Cattleya x dolosa é um híbrido natural que ocorre naturalmente no estado de Minas Gerais, decorrente do cruzamento de Cattleya loddigesii e Cattleya walkeriana.
É um cruzamento primário, isto é, resultado do cruzamento de duas plantas naturais (espécies).
As C. x dolosas preferem ser cultivadas como se fossem walkeriana e não como loddigesii, mesmo naquelas em que a planta não tem tanta aparência de walkeriana.
Novamente cruzada com a Cattleya loddigesii forma o híbrido natural Cattleya x o'brieniana.
Planta de pequeno porte pode ser cultivada com facilidade em clima temparado ou quente, com muita luz, muita ventilação e rega durante o período de crescimento e redução bastante drástica durante o inverno.
Vegeta excepcionalmente bem quando instalada em casca de árvore.

Floração:
Outono/inverno mas pode florescer mais de uma vez ao ano.
Uma ou duas flores de 8 a 10cm de diâmetro em inflorescência que surge no ápice de um pseudobulbo maduro terminal.
As pétalas e as sépalas são róseo-purpúreas ou rosa-lilás. O labelo creme com veios púrpura ametista é trilobado, sendo que os lóbulos laterais são eretos.

    Planta com botões e um tutor para sustentação

Substrato:
Casca de peroba, xaxim desfibrado, e no caso de casca de peroba dentro de vaso adicionar um pouco de brita.

Sombreamento de 50%, a dolosa gosta de muita luz e boa circulação de ar,

Adubação:
Metade da dose recomendada pelo fabricante quinzenalmente, adubos mais nitrogenados para crescimento e mais fosfatados para ajudar na floração (aplicado uns 3 meses antes desta)

***atençao: não adianta colocar adubo para floração em plantas jovens, aguarde sua primeira floração para assim ficar sabendo sua época certa.

  Dentro de um cachepot, atrai olhares até dos menos atenciosos

Cattleya lueddemanniana



Cattleya lueddemanniana Rchb.f., Xenia Orchid. 1: 29 (1854).
Planta originária da Venezuela, a Cattleya lueddemanniana é uma unifoliada de médio porte que mede em torno de 30 cm, possuem flores de perfume muito agradável e que podem chegar até 20 cm de diâmetro. Sépalas e pétalas são aproximadamente do mesmo comprimento, mas as sépalas são bem mais finas comparadas com as pétalas enrugadas, que são cerca de três vezes maior. O labelo é grande e chamativo e se dobram para dentro para formar um tubo ao redor da coluna. A coloração das sépalas e pétalas varia entre leve a médio-escuro de um clone para o outro (clones muito escuros são extremamente raros).
O labelo geralmente é da mesma cor das sépalas e pétalas sendo um pouco mais leve na cor perto de sua base. No meio do labelo, existem duas grandes semicirculares amarelo pálido próximo das margens. Na parte de baixo e no meio do labelo existem listras roxas, que terminam em veias irregularmente escuras. Os babados do labelo são normalmente marcados com manchas escuras irregulares e manchas roxas que, ocasionalmente, fundem-se para aparecer solidamente coloridas.
Clones branco conhecida como var. alba têm cor branca pura com uma mancha amarela na garganta.
A coluna tem um apêndice vasto em sua ponta sobre a capa da antera. Esta característica é tão exclusiva que pode ser usado para distinguir a Cattleya lueddemanniana de todas as outras espécies de Cattleya.

A lueddemanniana aceita vários substratos sendo assim não há muito problema para encontrar o mais adequado a sua plantinha.
Os mais indicados são: Xaxim desfibrado ou em cubos, coxim, misturas bem arejadas, etc.

Quanto a temperatura nada de locais frios, ela gosta de calor, muita luz, e muito ar fresco.
Sombreamento em torno de 50%.

Adubação:
Mantenha sempre o bom senso, adubação de menos o efeito é demorado, porém em excesso "mata"

                                 Cattleya lueddemanniana rubra 'self' - primeira floração